Abrindo as portas na Europa

Pastor, essa é a igreja que frequentamos aqui e onde fazemos uma parte do ministério.
No domingo cantamos e apresentamos dança.
Essa é a base.
Além de todas as aulas e cursos que os refugiados recebem, as crianças vêm aqui todos os dias, para brincamos com elas, evangelizarmos e darmos comida.
Bad Blankenburg, a cidade que estamos, foi comunista por muito tempo. Por isso, ainda sentimos uma opressão muito grande por parte da população mais velha, que guardou isso com elas.
Para você ter uma noção, a casa de um dos obreiros da base foi invadida e desenharam uma suástica na porta dele, porque ele é negro.
Na floresta ao lado ainda é realizado rituais ocultistas, que estavam relacionados ao comunismo e também ao nazismo naquela época.
E agora temos os refugiados, que encontram aqui um lugar para viver.
Como em toda a Alemanha, os jovens estão cada vez mais distantes de Deus. Fumo, bebida, drogas, sexo...tudo isso tem tomado conta deles.
Mas ainda de vêem jovens firmes com Deus que querem fazer a diferença.
E muitos dos jovens refugiados entram nessa vida também. Porém, alguns decidem mudar e, inclusive,  abandonar o islamismo e tornar-se cristãos.
É o caso de alguns dos jovens que frequentam a base da Jocum(JOvens Com Uma Missão) .
Dois se batizaram esse ano, mas o governo Afegão está exigindo a volta deles, alegando que lá é um lugar seguro para morar.
Vamos orar para que eles não precisam voltar, pois sabem que chegando lá, serão mortos assim que descerem do avião, pelo Talibã.
Aqui você pode ver uma história mais triste que a outra.
Crianças que perderam os pais durante o caminho. Crianças que viram os pais serem mortos pelo exército por serem cristãs. Crianças que cuidam de bebês, porque não têm mais pais. Crianças que não sabem onde os pais estão. Pais que tiveram seus filhos mortos por doença, cansaço, fome e frio. Pais que tiverem seus bebês lançados ao mar só porque choravam no barco. Enfim, inúmeras. Porém, não me apego a isso, mas sim ao fato de apesar de tudo isso, são fortes e têm um coração voltado para Jesus.
De tudo isso, posso falar que estou aprendendo muito com elas.
Pastor, como o senhor sabe, estou no leste alemão! E aqui Lutero e os seus antecessores iniciaram a reforma protestante. A cidade de Bad Blankenburg e os arredores são cheias de histórias! Uma coisa legal daqui é que toda vila tem uma igreja protestante (luterana), porém devido ao comunismo, elas estão vazias. Por serem repreendidas, as famílias cristãs deixaram essa parte e hoje, restou uma linhagem de ateus, que nem sequer conhecem a Bíblia.
Por isso estamos indo de igreja em igreja, tocando e orando. Convidando os moradores das vilas para se juntarem a nós e estamos iniciando o projeto de a Bíblia em cada casa.
A intenção é que toda família tenha uma bíblia.
A história daqui da base é muito legal.
A líder é bisneta do dono do prédio. Aqui era a maior prensa Bíblica. Porém Hitler próprio, numa visita que fez a um centro de conferência na cidade para falar sobre o nazismo, mandou fechar e perseguir a família.
Então depois que o comunismo passou, a casa ficou como herança da família e a líder a comprou, há três anos, com a ajuda de alguns membros da igreja.
E agora funciona como base da Jocum!
*eram cristãos, por isso nos deram a oportunidade de cantar no festival e evangelizar. Foi muito bom!: Temos frequentado e auxiliado o grupo de jovens, que atualmente é formado por dois jovens. Tô usando todo o conhecimento dos Teens e dos Memorial Brothers aqui, e graças a Deus, já temos tido frutos!
Hoje fomos a um asilo. Cantamos, oramos e pregamos. Foi um tempo muito bom!
Teve um momento que cantamos Amazing Grace e alguns começaram a chorar, porque era a música que eles cantavam quando crianças na igreja, até o comunismo vir e proibir tudo isso.
Hoje estamos com um grupo de sul coreanos que vão fazer uma festa para os refugiados. Com danças, músicas, presentes e apresentações de Taekwondo. Daqui a pouco eu mando foto!
Mas é isso! Bíblia em cada casa, reavivamento das igrejas luteranas, trabalho com os refugiados, grupo de jovens, evangelismo de neonazistas e comunistas.
Hoje eu pego o trem para Frankfurt e amanhã de madrugada pego o avião para Espanha
 

Gabriel Noda 



VOLTAR